Prefeitura de Caruaru apresenta novas ações no combate a Covid-19

Rede de solidariedade e regras para as feiras livres do município entraram na pauta

É inegável que com todos os problemas que vieram com o Covid-19, também despertou os melhores sentimentos na população, com o objetivo de amenizar o sofrimento e ajudar o próximo. Em Caruaru, a Rede de Solidariedade vai reunir a Prefeitura da Cidade, por meio das secretarias de Defesa Social e Direitos Humanos, da Mulher e a Extraordinária das Feiras; com representantes da sociedade civil do Lions Club de Caruaru, Rotary Clubs de Caruaru e das Lojas Maçônicas de Caruaru.

O Decreto, publicado nesta quinta-feira (26), apresenta a Rede Solidariedade com o objetivo de planejar e coordenar campanhas de arrecadação das doações, assim como elaborar ações que serão desenvolvidas para o enfrentamento da pandemia. Para os necessitados, prejudicados pela doença, poderão ser doados bens móveis,dinheiro, serviços, insumos e equipamentos.

As doações em dinheiro poderão ser depositadas na conta corrente do Lions Internacional: Banco do Brasil, Agência nº 1421-4, Conta nº 16355-4, CNPJ nº 10.022.291/0001-72. Tudo será prestado contas à sociedade, informando o direcionamento de todas as doações

FEIRAS LIVRES – Uma nova Portaria também foi publicada no Diário Oficial do Município, nesta quinta-feira (26) para reforçar as ações de combate a Covid-19. O Grupo Integrado de Atendimento de Emergências Relacionadas a Desastres Naturais e Correlatos do Município de Caruaru definiu regras mais rigorosas para as feiras livres do município. Até o momento, apenas um caso foi confirmado na cidade.

De acordo com o documento, ficou determinado que as feiras livres ficarão funcionando normalmente, sendo liberado o comércio exclusivo de alimentos. Em relação à estrutura, os bancos de feiras móveis devem estar alocados a uma distância mínima de 2m entre eles.

A Portaria ainda reforça pontos importantes para o combate a Covid-19, como evitar ao máximo qualquer tipo de contato e aglomeração dentro e nos ambientes próximos às feiras, podendo ser coibido pelos órgãos oficiais. “As pessoas devem se limitar a compra e o imediato retorno a sua residência. Já as pessoas idosas ou que se enquadrem no grupo de risco, como sempre lembramos que devem evitar ir às feiras”, pontua o secretário de Serviço Público, Ytalo Farias.

Ajustes foram necessários para colocar em prática as determinações. A feira livre do bairro do Salgado, por exemplo, será instalada no Pátio de Eventos Luiz Lua Gonzaga. Outras feiras livres deverão ser expandidas para outras vias locais, próximo ao local de origem, para poder respeitar a determinação do espaço entre as barracas. Já os bancos de feira móveis deverão ser montados com corredores espaçados de no mínimo sete metros de largura, respeitando o distanciamento mínimo de dois metros entre eles. Outra determinação é a implantação de pontos higiênicos para que os feirantes e compradores efetuem a limpeza das mãos com água corrente.

COMPARTILHAR