São João 2022: número de empregos temporários deverá crescer até 50% em Caruaru

 

O Maior e Melhor São João do Mundo não é aguardado apenas pelos forrozeiros de plantão. Conhecido mundialmente por sua extensa gama de atrativos alinhando a tradição e a modernidade de um evento gigantesco, o festejo junino da Capital do Forró também é esperado ansiosamente por todos aqueles que fazem a economia rodar nesta época. E, em 2022, quando a cidade voltará a vivenciar a festa mais popular do Nordeste, após dois anos de suspensão devido à pandemia da Covid-19, a estimativa quanto a movimentação econômica contabilizada nos setores locais está girando na casa dos R$ 250 milhões a R$ 300 milhões.

Desde que ele foi confirmado oficialmente, segmentos tradicionais como serviços, comércio e a indústria vêm sentindo os efeitos positivos do evento, que começa neste sábado (4) e segue até o dia 2 de julho. Um reflexo desse impulsionamento provocado pela festa se refere à criação de postos de trabalho temporários no período. Algo que não era percebido, nesta época, na cidade, desde 2019, quando Caruaru festejou o seu último São João antes da chegada do novo coronavírus.

De acordo com o levantamento da Agência Regional do Ministério do Trabalho e do Emprego (MTE), neste São João, a tendência é de que haja um acréscimo no quantitativo de empregos temporários contabilizados na ordem dos 30% a 50% em comparação com o mesmo intervalo de 2019, quando foram registrados 1.967 postos do tipo no mercado formal da Capital do Agreste. A agência aponta como um dos principais fatores para o crescimento no número de oportunidades, o retorno em si da festa, com grandes expectativas geradas e acumuladas por parte das empresas contratantes e da população em geral.

Tradicionalmente, o período junino é o segundo melhor do ano em termos de contratações temporárias perdendo apenas para o Natal/Réveillon. Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Economia Criativa de Caruaru (Sedetec), André Teixeira Filho, os ganhos obtidos pela cidade não se limitam apenas durante a realização da festa. “Eles acabam se estendendo para o segundo semestre dando a possibilidade da nossa economia obter resultados mais expressivos não só em termos de faturamento, mas também em relação à criação de empregos. Estamos bastante otimistas quanto às projeções para este ano”.

Apesar de atuarem em setores distintos, profissionais ouvidos pela Prefeitura de Caruaru mostraram discurso afinado quanto aos benefícios econômicos gerados pela realização do Maior e Melhor do Mundo. “Para se ter ideia, tivemos de contratar mais 10 pessoas para darmos conta do movimento que já vem se intensificando nas últimas semanas. Com a chegada dos festejos, a tendência agora é de vendas redobradas e quem se destacar no período passará de temporário para efetivo”, disse a gerente de loja, Eva Morais.

No setor de serviços, a demanda crescente também vem provocando a assimilação de mais mão de obra. Com o número de reservas beirando já os 100%, os hotéis da Capital do Forró vêm criando várias oportunidades de emprego beneficiando trabalhadores como Paulo Silva, que estava desempregado havia 10 meses. “Depois de tanto tempo de aperto, graças a Deus e ao São João, consegui essa vaga de recepcionista e estou me esforçando muito para continuar no emprego após o período de festa”, comentou.

Na indústria, conforme destacou o diretor regional da Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (Fiepe), João Bezerra, não só o setor têxtil, mas também demais segmentos se encontram com as operações em alta com a realização do São João. “Sabemos que o setor têxtil confeccionista é muito pujante na cidade e observamos uma sensível melhora em relação à demanda por vestuários. Entretanto, vale ressaltar que os segmentos de alimentos e de bebidas também se encontram impactados positivamente com absorção de mais mão de obra”.

COMPARTILHAR